Instituto Superior Técnico

Observatório de Boas Práticas do IST

Archive for the ‘Transferência de Tecnologia’ Category

Lab2Market

terça, outubro 12th, 2021

Transferência de Tecnologia● 2021

Área de Transferência de Tecnologia

https://tt.tecnico.ulisboa.pt/innovators/lab2markettecnico/

Implementação da Prática

Implementado em 2015, o Lab2Market@Técnico é um programa de aceleração de inovação no âmbito do qual se atribui 250h de consultadoria e formação, dada por consultores especializados em inovação, com o objetivo de encontrar a melhor forma de valorizar as tecnologias desenvolvidas por professores, investigadores, estudantes de doutoramento e mestrado do IST. As inscrições são feitas através de um formulário onde devem realizar a descrição do projeto, área de tecnologia, links relevantes, nível de TRL e contatos da equipa. Na seleção dos projetos é valorizado: – Habilidade e adequação da equipa*; – Viabilidade e inovação do projeto; – Potencial econômico; – Estado de desenvolvimento de tecnologia e tempo de comercialização. O programa decorre entre Janeiro e Junho, considerando desde a fase de candidaturas até ao Pitch final das equipas. Após a seleção das equipas que irão participar no programa, é realizado um workshop de team building na problemática de abordagem ao mercado, assim como uma primeira reunião individual com cada equipa e o orientador que a irá acompanhar durante todo o programa, no sentido de serem analisadas quais as necessidades de cada equipa e aquilo em que se deverão focar nas 9 semanas em que o programa decorre. Nas primeiras 4 semanas as equipas trabalham na identificação do mercado adequado ao seu projecto e qual a sua vantagem competitiva. As últimas 5 semanas são dedicadas à procura e contacto com potenciais clientes. O Lab2Market tem permitido às equipas identificar o estado da sua tecnologia em relação às necessidades do mercado, bem como desenvolver uma estratégia de Go-To-Market ou entender estratégias B2B/ B2C, bem como a simples hipótese de considerar tirar a ideia do laboratório. Esta prática tem conseguido igualmente apoiar as equipas que pretendam candidatar-se a fundos europeus, melhorando a proposta da sua candidatura.

Resultados Alcançados

O Lab2Market@Técnico conta já com 5 edições, e podemos considerar que existem vários indicadores que fazem do programa um caso de sucesso, entre os quais destacamos:

– O aumento de inscrições (de 21 para 51) nas sessões de apresentação do programa, o que nos indica que o crescente interesse da comunidade IST neste tipo de iniciativas; Esta sessão teve em 2020 e em 2021 uma transmissão live no Facebook, onde obtivemos mais de 1000 visualizações;

– O aumento do número de candidaturas ao programa, tendo na edição de 2021 tido um aumento de cerca de 50% face à edição de 2020 (a evolução do período do programa foi de 5 para 15);

– O aumento da diversidade dos Centros de I&D, nomeadamente a candidatura ao programa de investigadores dos vários centros de investigação existentes no IST;

– Aumento do número de candidaturas de projetos com pedidos de patente em curso, o que consideramos que possa resultar de um passa palavra de participantes em edições anteriores, bem como da comunicação realizada.

Considerando os indicadores acima mencionados como métricas de sucesso, gostaríamos de destacar mais um e que esperamos que no futuro possa ser o mobilizador de crescimento. O sucesso, na óptica de transferência para o mercado, dos projetos de algumas das equipas que participaram no programa. Destes projetos salientamos o projeto Voxel da Prof. Marta Fajardo, que participou no programa em 2015, e posteriormente candidatou-se ao programa Horizonte 2020 e tendo obtido um financiamento de € 3,99 milhões. Outro caso de sucesso foi a FabInventors, projeto do Nuno Frutuoso estudante de Doutoramento, que, entretanto, já se tornou uma spin-off do Técnico e que recentemente conquistou o 3.º lugar no “BoostUP”, uma competição europeia organizada pelo EIT Manufacturing. Ao longo das 5 edições que o programa tem, têm sido implementadas algumas ações de melhoria no sentido de proporcionar às equipas uma melhor experiência e de forma a que consigam tirar o maior proveito da sua participação. Em 2018 restringiu-se as candidaturas a projetos nas áreas de Blockchain, Machine Learning e Smart Cities, no entanto verificou-se que limitar as candidaturas a áreas específicas poderia impedir que outros projetos de elevada relevância se pudessem candidatar. Assim, em 2019 qualquer equipa com um projeto de investigação ou ideia inovadora no universo IST poderia candidatar-se, o que se revelou um aumento de mais de 50% no número de candidaturas. Na edição de 2020, no sentido de ajudar as equipas a melhor perceber quais as suas necessidades e quais os objetivos pretendidos com a participação no programa, bem como ajudar os orientadores, que acompanham as equipas ao longo das semanas de trabalho, a focar nas necessidades mais importantes durante o processo de orientação, foi realizado com as equipas e orientadores um workshop Business Model Canvas. A realização do workshop foi um sucesso tendo obtido um feedback bastante positivo tanto da parte das equipas como dos respetivos orientadores.

Avaliação e Monitorização

De forma a avaliarmos junto dos participantes do programa se o mesmo correspondeu às suas expectativas, bem como identificar melhorias a serem implementadas em futuras edições, foi realizado em 2020 um inquérito aos participantes da respectiva edição. Os resultados obtidos foram bastante satisfatórios sendo que mais de 60% dos inquiridos indicou que o programa tinha ido de encontro às suas expectativas; mais de 70% indicou voltaria a participar no programa e mais de 80% dos inquiridos indicou que recomendaria a participação no programa a outras pessoas do seu departamento.

Após análise do feedback dado pelas equipas verificou-se que, alguns dos participantes sentiam que ficava em falta uma maior aproximação ao mercado e contato com possíveis clientes/ investidores. Apesar de na 2ª fase do programa, o objectivo ser a realização destes contatos e a procura e identificação de possíveis clientes, é também ela uma fase mais morosa que requer aguardar por um feedback ao contato estabelecido.

Nesse sentido, e após análise da possibilidade de aumentar a duração do programa, junto dos orientadores, bem como a análise ao calendário escolar de forma a considerar a implicação que tal teria junto das equipas, foi aprovado que a edição do Lab2Market 2021 teria a duração de 9 semanas, sendo a nova semana acrescida na 2ª fase do programa que assim terá a duração de 5 semanas ao invés das 4 semanas realizadas em edições anteriores.

Uma outra melhoria a ser implementada em 2021 será um acompanhamento mais próximo das equipas que participam e da continuidade dos seus projetos. Os resultados desta melhoria serão mensurados numa próxima edição.

Carácter Inovador e Transferibilidade

Apesar de identificarmos presentemente outros programas similares como o programa ScienceIN2Business® realizado pela TecLabs da Faculdade de Ciências da ULisboa, ou o Programa Collider realizado com universidades da Catalunha, consideramos o Lab2Market um programa inovador no IST, bem como a nível das universidades nacionais por ter sido um dos pioneiros neste formato de atuação na altura em que foi lançado

O Lab2Market é uma iniciativa única no universo Técnico e conforme já mencionado anteriormente a realização deste programa tem permitido às equipas que participam terem uma maior percepção do mercado em que a sua tecnologia poderá ser aplicada, bem como validar se a mesma se adequa às necessidades existentes no mercado. Poderemos até dizer que para muitas equipas é a primeira abordagem ou contato que a sua tecnologia tem fora do laboratório. Consideramos que esta prática pode (e deve) ser replicada e realizada por outras universidades nacionais e internacionais, principalmente as que estejam ligadas à área da engenharia, no sentido de dar mentoria e alavancar a transferência de tecnologia dos vários projetos de investigação existentes nos laboratórios e com grande potencialidade de saírem do Laboratório.

Encontro Geologia no Técnico

quinta, julho 26th, 2018

Transferência de Tecnologia ● 2018

Ana Paula Alves Afonso Falcão Neves (docente DECivil)

Implementação da Boa Prática

A atividade “Encontros Geologia no Técnico” é destinada a professores do Ensino Secundário, sendo apresentadas palestras e atividades experimentais realizadas por docentes e investigadores do IST assim como outros especialistas.

Os temas escolhidos estão relacionados com as matérias lecionadas na disciplina de Geologia/Biologia do ensino secundário nacional. Desta forma é dado a conhecer os mais recentes desenvolvimentos na investigação realizada no Técnico e na comunidade científica nacional e internacional, assim como no meio industrial relacionado com os Recursos Geológicos.

O programa funciona de forma voluntária sendo a sua coordenação realizada pela Coordenação da LEGM. Os palestrantes são convidados de acordo com o tema principal escolhido para essa atividade.

A “Geologia no Técnico” é realizada 1 ou 2 vezes por ano. Realizaram-se já 13 Encontros Geologia no IST, sob os temas: Ambiente, Ordenamento do território, Cortes geológicos, Identificação de rochas e minerais, Hidrogeologia, Água e Lítio.

São enviados convites às escolas para divulgação da atividade com pedido de inscrição prévia, normalmente

Cada atividade tem uma duração total de 3 horas (realizado sábados ou em horário pós laboral) em 2 tipos de formato: palestras ou palestras e uma atividade prática. Existe sempre uma pausa para café. Em cada Encontro é entregue um inquérito aos participantes com questões relacionadas com a avaliação do Encontro e onde são solicitadas sugestões para próximos Encontros.

Realizam-se 2 reuniões com a coordenação, secretariado, docentes e investigadores para a organização de cada evento, e os contactos realizados por email e por telefone.

Os materiais necessários dependem do tema, em particular da existência de uma actividade prática. É sempre necessária uma sala no Campus da Alameda com meios de projeção, para a realização das palestras.

Os custos referem-se ao pagamento do coffee-break (café, sumos e acompanhamentos).

Resultados Alcançados

Considera-se que a atividade Encontros de Geologia no Técnico atingiu os seus objetivos:

  • fez divulgação à comunidade externa, sobre o trabalho de investigação do Técnico relacionado com a área científica de Minas e Georrecursos;
  • deu conhecimento e formação de temas específicos relacionados com os programas de geologia lecionados no ensino secundário
  • deu a conhecer aos participantes o trabalho desenvolvido em investigação relacionado com a LEGM e, consequentemente, a oportunidade da passagem desse conhecimento aos seus alunos, futuros candidatos ao ensino superior, promovendo a licenciatura LEGM no Técnico.
  • desenvolveu e promoveu ligações entre os nossos docentes e investigadores a montante (escolas do ensino secundário) e a jusante (meio industrial)

Já foram realizadas 13 atividades de “Geologia no Técnico” tendo tido adesões muito positivas, com médias de 25 a 30 participantes.

A escolha das datas para a realização de eventos de forma a ter maior número de inscrições não se mostrou fácil, tendo-se optado por horários pós-laborais ou sábados. Também por este motivo, a divulgação tem sido feita somente a escolas no distrito de Lisboa.

Avaliação e Monitorização

São realizados inquéritos de satisfação no final de cada atividade para aferir da qualidade e interesse dos temas apresentados assim como pedidos de sugestões de temas a realizar no futuro de acordo com as necessidades de aprendizagem e conhecimento dos participantes. Com base nos resultados foi possível eliminar e acrescentar diversos temas, adequar as apresentações para um nível mais simples de linguagem científica, dado o tipo de conhecimento dos participantes.

Carácter Inovador e Transferibilidade

A atividade serve como ponte de ligação entre docentes do ensino secundário e do ensino superior, o que poderá desenvolver competências, nos dois níveis de ensino, no que diz respeito a:

  • adequação de conteúdos programáticos nos primeiros anos das licenciaturas no IST (neste caso; LEGM em UC de Geociências) ;
  • introdução nas aulas do secundário de casos de estudo e outros assuntos inovadores desenvolvidos no IST (neste caso: das disciplinas de Geologia/Biologia);
  • o evento permitir uma formação acreditada para professores do secundário (neste caso: na área das geociências)
  • O evento permite a divulgação personalizada dos cursos do Técnico à comunidade externa (neste caso: a LEGM).