Instituto Superior Técnico

Observatório de Boas Práticas do IST

Archive for the ‘Técnico’ Category

International Staff Week

segunda, setembro 28th, 2020

Internacionalização 2020

Rui Mendes; Ana Lucas; Sandro Santos; Vanda Ferreira (AAI)

Implementação da Boa Prática

A International Staff Week (ISW) tem lugar no 1º semestre, normalmente entre o final de Setembro e o início de outubro, sendo que no ano passado realizou-se entre 7 e 11 de Outubro de 2019.

A ISW tem um ambiente descontraído e informal para os participantes interagirem com colegas de outras Universidades, partilharem as melhores práticas, discutirem os desafios atuais da internacionalização no Ensino Superior. Simultaneamente, além de fortalecerem os laços com os colegas internacionais, os participantes aprimoram os seus conhecimentos e competências.

Este evento foi estruturado para incluir diferentes formatos de reuniões e apresentações, como Key Presentations, Guest Speakers e Workshops para partilhar as melhores práticas; Exhibition of Partner Universities, World Café Fair e Workgroups para aumentar as oportunidades de networking e estimular a discussão entre os participantes. A ISW decorreu em 3 faculdades diferentes da Universidade de Lisboa: no Instituto Superior Técnico, Faculdade Letras e Faculdade de Ciências.

Na edição anterior, o evento decorreu durante 1 semana inteira (de 2ª a 6ª) em 2 campus do Técnico: Alameda (dia 7, 10 e 11 de Outubro) e Taguspark (dia 9 de Outubro).

Para além das instalações do Técnico, também contámos com a colaboração de outras instituições da Universidade de Lisboa: Faculdade de Letras e Faculdade de Ciências, com um dia inteiro de programação com sessões a decorrer em paralelo em cada faculdade no dia 8 de Outubro.

No programa esteve incluído um World Café realizado no Taguspark, na quarta-feira, 9 de Outubro, bem como uma Exhibition of International Partners realizada na Alameda, em 10 de outubro. Estes eventos ofereceram aos participantes a oportunidade de mostrar a toda a comunidade académica, as diferentes oportunidades de mobilidade no exterior. Os participantes têm a oportunidade única de promover pessoalmente as suas instituições e programas inovadores para os alunos, professores e staff do Técnico.

Resultados Alcançados

A ISW já conta com duas edições (2018 e 2019) e a próxima já está marcada entre os dias 28 de Setembro a 2 de Outubro de 2020. Na edição do ano passado, contámos com 65 participantes vindos de 42 instituições e 21 países. Em relação à primeira edição (2018), houve um acréscimo em 2019, com mais 26 novos participantes, mais 14 instituições e mais 3 países. Podemos concluir que houve um grande aumento na participação.

Um dos resultados a destacar foi a Welcome Remarks onde pudemos contar com a presença do Prof. Jorge Morgado, à altura Vice-Presidente para a Gestão Administrativa, que fez o discurso de boas-vindas e fez uma apresentação do Técnico aos participantes. Também pudemos contar com o Dr. Rui Mendes, à altura Diretor da Área de Assuntos Internacionais, que fez um enquadramento geral do funcionamento e valências de toda a Área Internacional.

Podemos ainda contar com um Meet & Greet, uma sessão onde desde ínicio foi “quebrado o gelo” (Ice Breaker Game) para deixar os participantes mais à vontade e que de seguida fizeram um pequena apresentação de quem eram, de onde vinham e o que faziam (Partners Presentation).

Relativamente aos Guest Speakers pudemos contar com a presença da Dra. Marina Casals (Diretora dos Assuntos Internacionais da Universitat Rovira i Virgili), que veio fazer uma apresentação sobre “Internationalization@Home”, atualmente um hot-topic nesta área; também contámos com a experiência do Dr. Mirko Varano (Gestor de Projetos Internacionais na KTH Royal Institute of Technology) para falar sobre o Futuro do Programa Erasmus+; incorporada no painel sobre “Dynamic Networks & Strategic Partnerships”, a Dra. Ivana Bonaccorsi veio falar sobre os “Extension International Programs” oferecidos pela University of California San Diego; e ainda contámos com apresentação da Prof. Dra. Elsa Henriques (Administradora Executiva da FLAD), que veio apresentar o trabalho feito pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento e a sua oferta formativa.

Também destacamos os “Dynamic Networks Workshops” onde os participantes escolheram entre os 2 temas oferecidos pela Área Internacional. Um sobre “Workshop on International Agreements and Networks” executado pelos colegas Luís Moreira e Ana Pipio (NRI). E outro sobre “Workshop on International Mobility” dado pelas colegas Ana Barbosa e Sílvia Santos (NMCI).

Neste tipo de eventos também é costume existir sempre uma forte componente socio-cultural, e a ISW não é excepção, tendo na edição de 2019 proporcionado aos participantes uma experiência enriquecedora onde a rota Lisboa-Sintra foi o foco principal. Desde a passagem pelos Jardins e Palácio Nacional de Queluz, à visita guiada à Quinta da Regaleira e que culminou com um Welcome Cocktail seguido de um Social Dinner no Café Paris em Sintra. Durante o resto da semana, os participantes também contaram com um Closing Cocktail no Rooftop do Hotel Mundial e um Walking Tour por alguns dos mais icónicos miradouros da cidade de Lisboa.

Avaliação e Monitorização

Universidade de Lisboa, como a Faculdade de Ciências e a Faculdade de Letras. Apesar de ser um evento da Área Internacional do Técnico, consideramos uma mais-valia poder contar com colegas de outras instituições, com as mais diversas áreas de formação. Este modelo permite atrair mais participantes e não só os que trabalham em instituições com cursos STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática em português).

As melhorias que pusemos em prática devem-se ao Inquérito de Satisfação aplicado desde a 1ª edição em 2018 e o qual replicámos no ano anterior, pelo que atualmente podemos fazer uma comparação de respostas nos anos transactos. Tendo em conta os dados que temos ao nosso dispôr, vamos explanar a nossa análise estatística.

Em primeiro lugar, tendo em conta que o universo foi de 65 pessoas e que obtivémos 53 respostas válidas, a taxa de resposta ficou fixada nos 81,5%. Os dados foram recolhidos entre 11 de Outubro a 1 de Novembro de 2019. Fizemos uma avaliação que vai ser dividida através dos seguintes blocos (os nomes estão em inglês, porque é a língua oficial do evento):

  • Pre-Arrival Info & Support – More positive: Registration Process; Less positive: Hotel suggestions
  • Venue, support & information – More positive: Registration/Check-in in the ISW; Less positive: Internet Access
  • ISW Presentations – More positive: Guest Speakers + Dynamic Networks & Strategic Partnerships; Less positive: Active Recruitment Strategies
  • ISW Workshops – More positive: Dynamic Networks; Less positive: Short Intensive Courses
  • ISW Social Activities – More positive: Social Dinner; Less positive: Closing Cocktail
  • ISW Impact – More positive: Networking; Less positive: Partnership Opportunities

A organização da ISW teve uma avaliação de 6,0 valores (muito positiva) numa escala de 1 a 7 valores. Também existia uma secção de texto para deixar comentários e sugestões: houve acções mais positivas (a manter) e outras acções a repensar para aumentar a qualidade do evento. Numa comparação entre 2018 e 2019, verificamos o ponto mais positivo continua a ser o “Social Dinner” e o ponto menos positivo continua a ser “Hotel Suggestions”. No geral, podemos concluir que foi uma ISW bem sucedida.

Carácter Inovador e Transferibilidade

O carácter inovador da ISW é verificado por recebermos várias pessoas de todo o mundo e onde podemos proporcionar uma semana inteira de aprendizagem, partilha de conhecimento, novas experiências socio-culturais, estabelecimento de futuras parceiras a nível de mobilidades, projectos ou redes internacionais.

Este evento não é só uma mais-valia para a Área Internacional, como para toda a instituição, porque leva o bom nome do Técnico às mais diversas partes do mundo. Esta acção permite promover a instituição de uma forma que não seria possível através dos meios convencionais de marketing ou publicidade. A partilha de experiências e contactos entre participantes é uma oportunidade única de alcançar acordos, que só pessoalmente podem ser estabelecidos. É este contacto pessoal que permite uma aproximação de vontades comuns.

Quando promovemos eventos de alcance internacional, isto permite que o Técnico seja bem visto no panorama mundial pela qualidade organizativa do seu staff. Para além disso, a participação de colegas de outros serviços do Técnico no painel de Job Shadowing, permite mostrar aos participantes como funcionam os restantes departamentos e núcleos.

Se a experiência for globalmente positiva como tem vindo a ser o caso das duas edições realizadas até ao momento, obtemos um feedback por parte dos participantes em voltar para o ano seguinte e recomendar vivamente a ISW a outros colegas da mesma instituição.

Para além de ser uma mais-valia para o Técnico, enquanto instituição de Ensino Superior de qualidade, este evento e consequentes acções permitem também “vender” a cidade de Lisboa e Portugal não só como destino de férias, mas um sítio onde viver e trabalhar.

As capacidades do staff do Técnico, em termos de soft skills, são fundamentais na execução de um evento desta magnitude e amplamente conhecido, apesar do seu curto tempo de existência.

Em relação à transferibilidade desta prática, podemos considerar a mesma bem sucedida pela continuidade da mesma e pelo envolvimento de toda a Área Internacional: Núcleo de Mobilidade e Cooperação Institucional, Núcleo de Relações Internacionais, Núcleo de Admissões e pela Coordenação da Área de Assuntos Internacionais.

 

 

Sessões de Divulgação das Candidaturas Projectos Erasmus +

sábado, julho 27th, 2019

Comunicação 2019

Rui Mendes, Ana Pipio, Ana Lucas, Joanne Laranjeiro, Joana Salgueira (AAI)

Implementação da Boa Prática

As Sessões de Divulgação dos Projetos Erasmus +, realizam-se anualmente e dirigem-se aos docentes e não docentes do Instituto Superior Técnico e têm como principal objetivo apresentar as diferentes linhas de candidatura dos Projetos Erasmus +. As Sessões assumiram o atual formato após 2013, altura em que a Education, Audiovisual and Culture Executive Agency (EACEA) introduziu a linha de financiamento Erasmus + 2013-2020.

A mudança de paradigma na tipologia de Projectos financiados criou a necessidade da realização de Sessões de Divulgação focadas nas diferentes linhas de ação, nomeadamente os Joint Master Degrees, Strategic Partnerships, Capacity Building e Knowledge Alliances, linhas predominantemente não científicas, e maioritariamente assentes na criação de novos programas de Mestrado e no desenvolvimento e partilha de práticas de conhecimento entre o IST e Instituições de Ensino Superior Internacionais.

As Sessões de Divulgação realizam-se anualmente, e têm como objetivo divulgar, informar e esclarecer qualquer questão que os docentes, investigadores e funcionários possam ter relativamente a qualquer uma das linhas de ação suportadas pelo Programa Erasmus +, mas também apresentar à escola o apoio que o Núcleo de Relações Internacionais presta a qualquer elemento da comunidade IST que queira submeter um Projeto Erasmus +. A Sessão de Divulgação é suportada pela existência de uma página web que contém informação detalhada sobre cada uma das linhas de ação, bem como documentos de suporte para a submissão da candidatura – esta página é de acesso restrito à comunidade IST.

Resultados Alcançados

As Sessões de Divulgação têm apresentado resultados bastante positivos, estes resultados podem ser identificados e medidos em diferentes áreas:

– maior número e heterogeneidade dos participantes: observa-se um crescimento global no número de participantes nas Sessões. Inicialmente apenas docentes e investigadores participavam nestas Sessões, por via da sua participação noutras linhas de ação, é natural que seja entre os docentes que se denota uma maior pró-atividade e interesse neste tipo de ações. Contudo nos últimos 2 anos o número de funcionários que participam ativamente nestas Sessões tem aumentado. Observa-se assim um maior interesse por parte dos serviços do IST em submeterem propostas, ou participarem enquanto parceiros em propostas, maioritariamente projetos Strategic Partnership e Capacity Building.

 – maior número de propostas submetidas: o aumento do número de proposta submetidas pelo IST, quer enquanto Coordenador ou parceiro, tem crescido em todas as linhas de ação. Este crescimento resulta indubitavelmente da informação disponibilizada, nas Sessões de Divulgação e no site, mas também do apoio prestado pelo NRI durante todo o processo de conceção e submissão das Propostas. É assim possível concluir que foram criadas as condições operacionais para que a Escola se sinta apoiada na submissão de Projetos Erasmus +, e que este apoio facilita o interesse e a participação no processo de internacionalização do IST.

No período de 2015 a 2019 o IST submeteu enquanto Coordenador ou foi convidado para participar enquanto parceiro em 126 propostas de Capacity Building, Strategic Partnership, Knowledge Alliances e Erasmus Mundus Joint Master Degrees. Em 2015 tinham sido submetidas um total de 4 propostas com participação do IST, em 2019 foram submetidas um total de 39 propostas.

– sinergia entre diferentes áreas: a presença de diferentes departamentos, áreas e núcleos nas Sessões de Divulgação fomenta o espírito de colaboração entre diferentes áreas no IST, a identificação de temáticas de interesse comum é um facilitador para o desenvolvimento de Projetos conjuntos.

– maior impacto na internacionalização do IST: a divulgação de oportunidades de Projetos financiados e cofinanciados pela Comissão Europeia e a subsequente participação nas diferentes linhas de ação do Programa Erasmus + tem contribuído para a internacionalização do IST. Todas as presenças e participações em Projetos contribuem para aumentar a presença e a projeção do Técnico na Europa e no Mundo, contribuindo também para um verdadeiro trabalho colaborativo no âmbito internacional, assente na partilha de práticas e no apoio ao desenvolvimento de Instituições de Ensino Superior que beneficiam da reconhecida experiência do IST.

Avaliação e Monitorização

As Sessões de Divulgação dos Projetos Erasmus + nunca foram submetidas a um processo de avaliação formal, atendendo à sua natureza e ao perfil dos participantes. Não obstante, o NRI e a Área de Assuntos Internacionais está atenta ao feedback informal que os docentes e não docentes partilham no final das sessões ou em outras interações com a equipa.

Como consequência destes contactos foram realizadas as seguintes alterações ou melhorias:

– Estrutura e momento da realização das Sessões de Divulgação: as Sessões tornaram-se mais específicas relativamente às tipologias dos Projetos Erasmus + e começaram a realizar-se mais próximo da data de lançamento das candidaturas – potenciando assim a submissão das mesmas em tempo útil.

– Apresentação de tópicos de Projetos: resultante da partilha dos anos anteriores, no presente ano foi sugerido aos participantes que indicassem temas e tópicos do seu interesse, para a realização de Projetos. Esta medida teve como objetivo identificar áreas de interesse comuns com as escolas das Redes nas quais o IST participa, nomeadamente a rede Magalhães e a rede CLUSTER, facilitando a criação de consórcios europeus e não-europeus que potenciem o desenvolvimento de Projetos e futuras sinergias e colaborações.

– Tipo de Informação disponibilizada: a informação disponibilizada na página web foi incrementada e melhorada seguindo as opiniões e sugestões dos participantes, de modo a melhor responder às suas necessidades. Esta é uma melhoria constante, que não estando indexada às Sessões de Divulgação, encontra neste formato o palco ideal para a recolha de sugestões.

Não obstante o facto de até ao presente não se ter realizado nenhum questionário de satisfação relativamente às Sessões de Divulgação dos Projetos Erasmus +, tal não significa que esta não seja uma medida a considerar e a introduzir em futuras edições das Sessões de Divulgação, de modo a garantir que os participantes encontram neste espaço de divulgação toda a informação necessário e que o modelo de partilha é ajustado eficaz.

Relativamente à qualidade dos Projetos e dos Consórcios, aqui medida através do número de Projetos aprovados e aqueles que ficaram em reserva, é também possível observar um impacto positivo. Em 2018, dos 33 Projetos submetidos, 11 obtiveram aprovação e 5 ficaram colocados em reserva, observando-se assim uma taxa de sucesso de 48% (33% se considerarmos apenas os Projetos aprovados).

Carácter Inovador e Transferibilidade

As Sessões de Divulgação dos Projetos Erasmus + apresentam como aspetos inovadores o seu carácter transversal, unindo a comunidade IST e fomentando a colaboração conjunta entre diferentes áreas, nomeadamente os Departamentos e a Área de Assuntos Internacionais, e a Área de Assuntos Internacionais e outros Núcleos ou Áreas de Serviços do IST. Esta transversalidade contribui para a projeção do IST no panorama internacional, e para a afirmação da comunidade IST como um ator no panorama do Ensino Superior Europeu e Mundial.

As Sessões de Divulgação apresentam ainda como fator inovador a conjugação de uma atividade presencial, com o suporte eletrónico, que disponibiliza toda a informação e documentação necessária para a submissão das propostas. Na página web, também as apresentações realizadas durante cada Sessão são disponibilizadas.

A prática é facilmente transferível para outros serviços que necessitem de comunicar com a comunidade IST, num formato presencial – a sucesso da implementação da prática passa por uma eficaz e atempada divulgação da data da Sessão de Esclarecimento, acompanhada por uma Ficha de Inscrição, que permite também à equipa do NRI e da AAI, preparar a adaptar os conteúdos da apresentação, antecipando questões e dúvidas, tornando assim as Sessões mais informativas e esclarecedoras.

 

Laboratórios Abertos DBE

sábado, julho 27th, 2019

Comunicação 2019

Maria Margarida Fonseca Rodrigues Diogo (DBE)

 Implementação da Boa Prática

A atividade Laboratórios Abertos DBE é um evento anual realizado desde 2012 pelo Departamento de Bioengenharia do Técnico e com o apoio dos núcleos de alunos de Engenharia Biológica e Biomédica e que se destina a alunos do ensino secundário. O evento tem a duração total de 1 semana e encontra-se dividido em 10 turnos distintos (2 turnos por dia, 1 na parte da manhã e outro na parte da tarde) tendo cada um destes turnos a duração de 2,5 horas.

Durante cada um destes turnos os vários grupos de alunos, que poderão ser provenientes de escolas secundárias distintas (máximo de 100 alunos por turno), começam por se reunir numa sala do Técnico onde assistem a um conjunto de palestras que incluem uma apresentação de cerca de 20 minutos sobre o DBE, incluindo as suas várias áreas científicas de intervenção bem como as suas ofertas formativas, seguida de duas pequenas apresentações sobre os núcleos de alunos associados ao DBE (núcleo de alunos de Engenharia Biomédica e núcleo de alunos de Engenharia Biológica) e suas principais atividades e que são realizadas por elementos destes mesmos núcleos. Finalmente, os alunos assistem a uma palestra de 30 minutos por parte de um docente ou investigador do DBE que irá falar sobre a sua área de investigação e respetivos projetos em curso. Em seguida, os alunos deslocam-se para vários laboratórios de ensino e investigação do DBE para realizarem visitas e algumas experiências laboratoriais que são coordenadas pelos docentes e estudantes de pós-graduação que desenvolvem investigação nesses mesmos locais bem como por monitores dos núcleos de alunos. Previamente à visita, os alunos das escolas secundárias são chamados a selecionar os laboratórios que irão visitar de acordo com a sua área de maior interesse. Poderão assim selecionar visitas a laboratórios na área da Engenharia Biomédica (Biomecânica do Movimento, Robótica, Biossinais e Imagiologia Biomédica) ou na área da Engenharia Biológica (Ciências Biológicas e Bioengenharia).

Resultados Alcançados

O objetivo principal da iniciativa Laboratórios Abertos DBE é dar a conhecer junto dos alunos e professores participantes provenientes das escolas secundárias, as várias atividades de investigação que se realizam no âmbito do Departamento de Bioengenharia do Técnico bem como as várias ofertas formativas existentes neste mesmo departamento, e respetivas saídas profissionais, e que se encontram alicerçadas nestas áreas de investigação. Pretende-se desta forma promover o recrutamento de alunos de elevada qualidade, bem como mais informados e motivados, para as várias ofertas formativas do DBE e de outros departamentos do Técnico e contribuir para a divulgação à sociedade da investigação que se realiza no Técnico, nas várias áreas da Bioengenharia, contribuindo desta forma para esclarecer o que é a Bioengenharia e as suas áreas de intervenção e fortalecendo deste modo a ligação do DBE e do Técnico com a sociedade.

A iniciativa Laboratórios Abertos tem vindo a ser levada a cabo anualmente, desde o ano de 2012, com os seguintes números de participantes: 899 (2012), 621 (2013), 550 (2014), 361 (2015), 760 (2016), 750 (2017) e 710 (2018). No presente ano de 2019 foi atingido o número de 760 participantes que de acordo com a avaliação levada a cabo não deverá aumentar em próximas edições pois este é o número máximo que o modelo estabelecido permite comportar para que os objetivos da atividade sejam atingidos.

O elevado número de participantes revela, pois, uma satisfação geral por parte dos professores e alunos relativamente a esta atividade pois ao longo dos anos várias escolas/professores têm participado repetidamente neste evento. No contacto informal com os alunos e professores das várias escolas secundárias envolvidas, tem sido referido que esta atividade tem um papel informador e motivador junto dos alunos. Tem sido nomeadamente referido que o evento é muito importante para apoiar os alunos no seu processo de discernimento vocacional, permitindo-lhes fazer uma escolha mais informada no acesso ao ensino superior. A atividade tem também motivado muitos dos alunos participantes para o desejo de iniciar uma carreira profissional na área da Engenharia, em particular da Bioengenharia, verificando-se mais tarde que alguns deles ingressam no Técnico, quer em ofertas formativas do DBE quer de outros departamentos. Como outro dos resultados muito importantes e positivos desta iniciativa, verificou-se um forte envolvimento de muitos professores e investigadores de diferentes áreas do DBE com a realização muito empenhada de palestras bem como com a organização das visitas e experiências laboratoriais. É de realçar também a forte participação dos núcleos de alunos bem como dos alunos do 1º ao 5º anos dos mestrados integrados em Engenharia Biológica e Biomédica e a sua interação muito positiva com os professores e investigadores do DBE. Todas estas interações contribuem fortemente para a criação de um espírito de corpo no seio do DBE.

Avaliação e Monitorização

Na sequência da mais recente edição dos Laboratórios Abertos, que foi levada a cabo no passado mês de fevereiro de 2019, foi realizada uma reunião de avaliação envolvendo a docente do DBE responsável pelo evento e os alunos responsáveis dos núcleos de alunos para fazer um levantamento dos aspetos positivos bem como dos aspetos a melhorar no âmbito desta atividade. Para além disso, foram também preparados e enviados inquéritos de satisfação aos professores do ensino secundário que participaram no evento. Estes inquéritos destinaram-se a inquirir os participantes relativamente a vários aspetos do evento nomeadamente o seu local, duração, desempenho dos palestrantes, desempenho dos monitores, interesse para os alunos e interesse das atividades laboratoriais. Foi também solicitado aos professores o envio de sugestões para melhoria da atividade. Na sequência desta avaliação foi sugerido por alguns professores do ensino secundário o envio com antecedência de um resumo dos conteúdos das palestras bem como das atividades e visitas laboratoriais a organizar pelos docentes e investigadores do DBE bem como pelos núcleos de alunos. Desta forma, estes professores poderão levar a cabo uma preparação prévia mais detalhada da visita, bem como dos seus alunos, e poderão também realizar posteriormente com os seus alunos atividades de avaliação no âmbito das palestras e das visitas e experiências laboratoriais. Foi também identificada a necessidade de dedicar uma maior percentagem do tempo disponível à realização das visitas aos laboratórios, dedicando assim uma menor percentagem de tempo para as palestras. Foi também sugerido que os grupos de alunos fossem menores para possibilitar uma maior interação e mais pessoal com os monitores e os professores e investigadores durante as atividades laboratoriais. Foi também sugerido, nomeadamente no âmbito do módulo de Engenharia Biomédica, a realização de visitas a mais do que um laboratório desta área. Foi também identificado por parte da equipa da organização da atividade, como aspeto a melhorar neste evento, o alargamento do período de permanência dos alunos no Técnico para cerca de 3 horas por cada turno para que os alunos possam disfrutar das visitas laboratoriais por mais algum tempo e com mais tranquilidade. No geral, estes inquéritos revelaram um elevado um grau de satisfação por parte dos participantes tendo todos os professores referido que repetiriam e recomendariam a atividade a outros.

Carácter Inovador e Transferibilidade

Os Laboratórios Abertos DBE é uma iniciativa inovadora no Técnico na medida em que, de uma forma organizada e periódica, é dado a conhecer a um grupo muito específico da sociedade (alunos do ensino secundário) um departamento do Técnico nas várias vertentes da sua atividade. A grande inovação em relação a outras atividades semelhantes que se realizam no Técnico e noutras instituições do ensino superior assenta na combinação de vários aspetos e que incluem a realização de palestras sobre a oferta formativa do DBE e as suas áreas científicas de investigação nos vários domínios da Bioengenharia, as palestras de caráter científico no âmbito destas mesmas áreas e a realização de visitas e experiências laboratoriais.

A atividade assume, pois, o objetivo claro de promover o futuro recrutamento dos melhores alunos do ensino secundário para o Técnico, e em particular para o DBE, sendo direcionada apenas para este grupo muito específico de estudantes, sem no entanto descurar uma vertente de divulgação científica e de ligação à sociedade em geral. O evento combina assim, de forma harmoniosa, três vertentes distintas. Na maioria dos eventos desta natureza que se realizam noutros departamentos do Técnico e noutras universidades, estas vertentes não estão todas presentes na mesma atividade, sendo os eventos apenas focados na divulgação científica para a sociedade em geral ou no recrutamento de alunos.

O evento Laboratórios Abertos DBE poderá ser replicado com facilidade e elevada probabilidade de sucesso por outros departamentos do Técnico, bem como por outros departamentos de outras escolas da Universidade de Lisboa, nomeadamente aqueles no âmbito dos quais se levam a cabo atividades de investigação e ensino que assentam na experimentação. Dado que o Técnico é por excelência uma escola em que o ensino está alicerçado em atividades experimentais, este modelo poderá facilmente ser replicado para outras áreas da Engenharia e/ou Científicas. Esta replicabilidade foi aliás já demonstrada pelo facto de esta atividade ter sido inicialmente implementada no âmbito do antigo Departamento de Engenharia Química (DEQ) tendo depois sido replicada com sucesso pelo Departamento de Bioengenharia, após a sua criação em 2011, embora com alguns aspetos inovadores. De facto, os Laboratórios Abertos DEQ são abertos a um grupo mais amplo de participantes, incluindo alunos de diferentes ciclos de ensino, e apresentam objetivos de caráter mais lúdico.

Programa Embaixadores do Técnico

sábado, julho 27th, 2019

Comunicação 2019

Núcleo de Apoio ao Estudante (NAPE)

Implementação da Boa Prática

De entre as várias áreas de atuação do NAPE, a Divulgação do Técnico e da sua oferta formativa junto dos alunos do ensino secundário por todo o país toma um lugar de destaque e envolve diariamente a equipa de Guias.

O orgulho que cada um dos alunos do Técnico sente pela sua instituição de ensino superior, assim como a ligação que frequentemente mantém com a sua escola secundária motivaram o lançamento do Programa Embaixadores do Técnico no ano letivo 2015/2016. Esta iniciativa junta um grupo de alunos de diferentes cursos do 1º, 2º ciclo e ciclos integrados, que, acompanham o NAPE em atividades de Divulgação diversificadas, em regime de voluntariado. A implementação deste Programa e o aumento da presença nas escolas secundárias culminou em setembro de 2016, quando os cursos de engenharia do Técnico atingiram as notas de acesso nacionais mais elevadas.

Aquando da sua criação, o objetivo principal do Programa consistia em proporcionar aos Embaixadores a oportunidade de regressar à sua escola secundária e dar a conhecer a sua nova Escola, o Técnico, partilhando a sua experiência enquanto alunos. Face ao crescente interesse e adesão às sucessivas edições, este Programa expandiu o seu alcance, aumentando a frequência e o tipo de participação, desde visitas a escolas, Feiras e visitas escolares ao campus Alameda.

No início de cada ano letivo, o NAPE conduz um processo de seleção dos alunos que integram a rede de Embaixadores, com base na sua motivação, dinamismo, facilidade de comunicação e disponibilidade, proporcionando material e formação específica sobre questões de acesso ao ensino superior e funcionamento dos cursos do Técnico, ao longo do ano letivo.

No ano letivo 2018/19, foram introduzidas novas medidas, como a opção por um número inferior de elementos (20), com vista ao aumento da qualidade e manutenção da participação ativa nas várias atividades de representação do Técnico, passando a ser reconhecido como atividade extracurricular no Suplemento ao Diploma.

Resultados Alcançados

O Programa Embaixadores potencia a divulgação do Técnico e da sua oferta formativa e oferece vantagens para os seus intervenientes – os alunos do Técnico e os alunos do ensino secundário. Os Embaixadores têm a oportunidade de “vestir a camisola” de uma Escola de renome, de desenvolver diversas competências de comunicação e de, por isso, enriquecer o seu currículo.

A formação proporcionada pelo NAPE a mais alunos do Técnico resulta no aumento do conhecimento da instituição e de toda a sua oferta formativa, com especial ênfase nas Licenciaturas e Mestrados Integrados. Consequentemente, esta informação é propagada a mais alunos do ensino secundário, potenciais candidatos ao Técnico. Além disso, a divulgação da nossa Escola é algo que, sendo realizado por estudantes do Técnico, se revela mais eficaz junto de alunos do ensino secundário, devido à proximidade de idades, identificação e maior envolvimento com os mesmos. O feedback positivo das visitas realizadas diariamente entre janeiro e junho é recorrente por parte das Escolas e dos alunos, que revelam interesse crescente na participação das atividades do NAPE, candidatando-se a Guias.

Avaliação e Monitorização

Em primeira instância, os Embaixadores são selecionados pelo NAPE de entre um elevado número de candidatos. Antes de iniciar a participação em atividades de divulgação, os Embaixadores participam num conjunto de formações Iniciais, que têm como objetivo dar a conhecer detalhadamente cada Licenciatura e Mestrado Integrado que o Técnico oferece, assim como outras informações relevantes para as atividades que irão desenvolver.

A monitorização da participação nestas atividades é feita por meio de diversos canais: em primeiro lugar, os Embaixadores são sempre acompanhados por um ou mais Guias do NAPE, estabelecendo-se assim uma colaboração em que o Embaixador começa a aprender a esclarecer questões e a expor a oferta formativa junto de candidatos ao Técnico através do exemplo do Guia – on-the-job training. Com efeito, os Embaixadores contribuem para o sucesso de grandes Eventos de Divulgação, como é o caso da Futurália, que contam com mais de 80.000 participantes todos os anos.

Os Guias do NAPE monitorizam de perto a performance dos Embaixadores e têm como responsabilidade transmitir-lhes feedback sobre o seu desempenho, de modo a melhorar continuamente a divulgação da nossa Escola. Além disso, no final de cada atividade, tanto o Embaixador como o Guia preenchem um inquérito online em que é avaliado o sucesso da atividade de divulgação e a participação do Embaixador. Consoante a mesma, poderá ser transmitido feedback ao Embaixador, com vista a sua melhoria constante. No final do Programa, que tem a duração de um ano, os Embaixadores preenchem um Relatório Final, que promove a melhoria do Programa em todas as edições.

Na edição do presente ano letivo 2018/19, os Embaixadores que participem num conjunto de atividades que corresponda a cerca de 40 horas poderão ver a sua participação nesta iniciativa reconhecida no Suplemento ao Diploma. Para isso, foi criado um sistema em que vão sendo atribuídos a cada Embaixador um número de pontos correspondentes às atividades em que participam – o objetivo será que cada Embaixador some 40 pontos até ao final do Programa.

Carácter Inovador e Transferibilidade

O Programa Embaixadores do Técnico veio complementar a Divulgação do Técnico, já levada a cabo previamente por alunos – os Guias do NAPE – dando a oportunidade a mais alunos de promover a Escola junto dos colegas do ensino secundário com maior representatividade da sua oferta formativa, tornando este processo mais eficiente e eficaz.

Além da maior disseminação de informação, este Programa contribui para uma maior capacitação dos alunos do Técnico, que além de contactarem com uma perspetiva geral e informada sobre os cursos que o Técnico oferece, vivenciam experiências enriquecedoras e desenvolvem competências diversas, nomeadamente a capacidade de comunicação.

Os resultados obtidos através da avaliação das atividades e do feedback dos participantes atestam o sucesso deste Programa e o seu impacto positivo, quer ao nível da melhoria da experiência dos alunos do Técnico, quer ao nível da captação de novos alunos.

 

 

Programa de Embaixadores Internacionais do Técnico

quinta, julho 26th, 2018

Internacionalização ● 2018

Sílvia Santos (NMCI)

Implementação da Boa Prática

O Técnico é contactado com regularidade pelos seus parceiros no sentido de incentivar os seus estudantes, que se encontram a realizar um período de mobilidade nessas escolas, a participarem nas suas feiras, aproveitando para fazer a divulgação do Técnico.

Neste sentido, a Área Internacional criou o Programa de Embaixadores Internacionais do Técnico em 2016, operacionalizado pelo NMCI, com vista à criação de uma rede de embaixadores Internacionais que colaborarão na divulgação e na promoção do Instituto Superior Técnico junto dos nossos parceiros, durante o seu período de mobilidade.
Estes embaixadores poderão ser estudantes nacionais que farão a representação do Técnico aquando da sua mobilidade ou, por outro lado, estudantes estrangeiros que se encontram a realizar um período de mobilidade no Técnico, e que demonstrem interesse em se tornarem nossos embaixadores Internacionais, atuando também como interlocutores e promotores privilegiados do Técnico.

Este programa aposta ainda numa ação de sensibilização aos estudantes, capacitando-os para apresentarem institucionalmente o Técnico, divulgar os seus programas de mobilidade e de estudo. A formação em imagem (Powerpoint e Prezzi) e em Comunicação (Como comunicar eficazmente, Assertividade, Do’s e Dont’s) é efetuada por colaboradores do Núcleo de Desenvolvimento Académico. A formação sobre o Técnico (Factos e Números, História do IST, apresentação programas de Mobilidade/regras, etc) é efetuada pelo NMCI.

O trabalho dos Embaixadores Internacionais será apoiado e complementado por suportes físicos e digitais, entre outros: flyers, booklets, apresentações de PowerPoint e vídeos.

São abertos dois períodos de candidaturas, no 1º e 2º semestre de cada ano letivo, respetivamente nos meses de outubro e abril.

Resultados Alcançados

Em 2016/17 foram formados 24 embaixadores internacionais. Destes 24 embaixadores apenas 6 estudantes já submeteram o relatório, sendo uma aluna italiana de Génova e 5 estudantes Portugueses que fizeram mobilidade na Alemanha, na China e na República Checa no 2º semestre de 2016/17. Estão a ser emitidos os respetivos Certificados de Participação.

Aguarda-se o envio dos restantes relatórios.

De acordo com a informação que consta destes relatórios, o interesse e participação dos alunos locais foram bastante significativos.

Em termos práticos ainda é cedo para obter resultados, uma vez que este trabalho de divulgação do Técnico pelos embaixadores foi desenvolvido no 2º semestre de 2016/17, pela primeira vez. Uma grande parte dos embaixadores formados em 2016/17 efetuou a mobilidade apenas durante este ano letivo de 2017/18.

Avaliação e Monitorização

Após a participação nas várias ações de formação, os estudantes têm de efetuar a sua própria apresentação, que será feita em Inglês, com exceção do Brasil, que pode ser em Português. São agendadas várias sessões de apresentação de 15 minutos cada. Estas apresentações são enviadas para o NMCI, que coloca as melhores numa Google drive, à qual têm acesso todos os estudantes envolvidos. É-lhes recomendado que melhorem as suas apresentações, tirando exemplos das melhores apresentações disponibilizadas e sempre que necessário são chamados à atenção quando falham alguma informação importante nas suas apresentações.

É ainda fornecido aos estudantes uma pen com a apresentação do Técnico, com informação sobre cada slide da apresentação e outras informações úteis. Após a realização das apresentações é oferecido aos alunos um pack que contém uma T-shirt, uma Hoodie, um identificador com uma fita do Técnico.

Quando os estudantes estrangeiros regressam às suas universidades de origem, ou os estudantes Portugueses (ou Internacionais regulares) realizam os seus períodos de mobilidade nas universidades de acolhimento, tentam envolver-se nos eventos internacionais organizados nas respetivas universidades (de origem ou de acolhimento). Para isso devem contactar os gabinetes Erasmus ou de Relações Internacionais, solicitando o seu envolvimento nas várias atividades de internacionalização organizadas localmente.

Alguns estudantes tiveram dificuldade em conseguir integrar-se num evento e solicitaram ajuda ao NMCI para contactar diretamente os parceiros. Pontualmente conseguiram-se ultrapassar as dificuldades e a maior parte conseguiu integrar-se num evento local.

O NMCI pode ainda ajudar os embaixadores internacionais contactando antecipadamente os parceiros e informando-os da presença nas suas universidades destes embaixadores, solicitando que os integre nos seus eventos internacionais.

Carácter Inovador e Transferibilidade

Pela primeira vez no Técnico os estudantes tiveram preparação para ajudar na divulgação do Técnico no estrangeiro, efetuando campanhas de marketing para atrair estudantes internacionais.

O programa teve bastante sucesso entre os alunos regulares do Técnico selecionados para um período de mobilidade e os alunos internacionais em mobilidade no Técnico.

De acordo com os seus testemunhos, todos eles sentiram orgulho em poder representar o Técnico.